sexta-feira, 3 de julho de 2020

Carteira de renda variável - aportes e livros de junho

Olá pessoal,

Os aportes de junho foram para:

TGAR11 e BARI11 - FIIs
SMAC11 - ETFs.

Segue carteira de renda variável, sem o SMAC11:



O mês de junho foi muito bom para a leitura. Além de "Dinheiro e Vida", li "A idade decisiva" de Meg Jay. É uma autora americana que aborda a importância das atitudes tomadas entre os 20 e 30 anos. De como nenhum outro período será tão determinante em sua vida. 

Gostei muito da forma prática e objetiva com que ela aborda e relata os problemas dos pacientes; de como muitos jovens - entre os 20 e 30 - se perdem ao pensar que "tem todo o tempo do mundo" e que "podem fazer o que quiser, porque as possibilidades são infinitas, visto que são jovens".

Basicamente, diz que os jovens negligenciam que, entre os 20 e 30, devem semear em duas áreas principais: trabalho e família (amor). Que é muito comum que as pessoas, depois dos 30, tenham uma sensação de desespero ao olhar para trás e pensar: "onde eu estava com a cabeça com meus 20 e poucos anos"? Trabalha conceitos interessantes como a "força dos vínculos fracos" e a "fraqueza dos vínculos fortes".

Se quiser saber mais, leia o livro.
  
Segue uma palestra da autora:




Um abraço e até a próxima.





quarta-feira, 24 de junho de 2020

A situação dos aposentados no Brasil - você quer ser 1%?



Olá pessoal,

No blog Viagem Lenta o Bansir publicou um excelente texto com o título: "qual o significado da aposentadoria para mim"? (https://viagemlenta.com/qual-o-significado-de-aposentadoria/).

Gostei muito - e me identifiquei - quando disse que, ainda que não alcance a aposentadoria antecipada, tem como um dos seus propósitos fornecer liberdade financeira aos filhos, isto é, não depender deles na velhice. 

Segue um gráfico com a situação dos aposentados no Brasil:




Como podemos ver, segundo o IBGE, apenas 1% dos aposentados brasileiros são considerados independentes; 46% dependem de parentes; 28% dependem de caridade e 25% são obrigados a trabalhar.

Ser aposentado e independente é uma tremenda exceção no Brasil; nem se fale daqueles que alcançaram essa independência de forma antecipada (FIRE), são exceção da exceção da exceção.

Como pai tenho o mesmo desejo do Bansir. Já seria de grande ajuda para os meus filhos se não dependesse deles na velhice, pelo menos no aspecto financeiro.

Fico muito feliz de poder ajudar alguns dos meus ascendentes. Creio que seja obrigação dos filhos cuidar dos pais/avós, assim como é obrigação dos pais cuidar dos filhos.

Só que nem todo mundo pensa assim. O mundo é  cheio de pais/mães que não ligam para os filhos e de filhos que não se importam com os pais. Você só sabe se pode contar com os outros no momento da necessidade; nessas horas que surgem as grandes decepções.

Diante desse quadro, o melhor a fazer é se preparar para o futuro, enquanto ainda há tempo. E não se esqueça de que, em alguns grandes estados do Brasil (RS, RJ e MG) faz algum tempo que temos atrasos nos salários de servidores.

Prepare-se para o futuro! É a única chance de ocupar a faixa dos 1% que não dependem da caridade alheia.

Um abraço e até a próxima.


domingo, 21 de junho de 2020

Otávio Paranhos: 3 mitos da aposentadoria antecipada

Olá pessoal,

Recentemente, descobri um ótimo canal no youtube, do Otávio Paranhos.

Alia 3 raras qualidades em seus vídeos: conhecimento, objetividade e boa didática.


"3 MITOS SOBRE A APOSENTADORIA PRECOCE"


"4 COISAS QUE GOSTARIA DE SABER QUANDO COMECEI A INVESTIR"


Um abraço e até a próxima.

sexta-feira, 12 de junho de 2020

Dinheiro e vida - Vicki Robin e Joe Dominguez

Olá pessoal,

Há livros que marcam nossas vidas. Recordo-me da primeira vez que li "Pai Rico, Pai Pobre", "O Milionário Mora ao Lado" e "O Homem Mais Rico da Babilônia". A leitura se deu em épocas distintas, mas cada obra desempenhou um papel importante em minha trajetória.

Eles foram responsáveis por pequenas e grandes mudanças em minha vida. Mudanças de hábitos, comportamentos e de ideias. 

O "Pai Rico, Pai Pobre" - hoje um pouco em descrédito - foi o primeiro: ali vi a importância do acúmulo de ativos geradores de fluxo de caixa; a importância de correr riscos e não se limitar às ideias e pensamentos de sua família com relação à profissão, dinheiro e riqueza.

O "Homem Mais Rico da Babilônia" foi revolucionário. O hábito de pagar-se primeiro veio dali. Se eu pudesse ensinar apenas um hábito virtuoso aos meus filhos - com relação às finanças - seria o de pagar-se primeiro. Todo o resto deriva dele.

O "Milionário Mora ao Lado" é revelador e destruidor de mitos. A ideia de que a frugalidade - viver abaixo de suas possibilidades - é o denominador comum na maioria dos milionários "normais" dos Estados Unidos. Pessoas comuns, com empregos normais e famílias normais. Dali veio a convicção de que é possível ser milionário, ainda que não seja um fora de série. 

Ainda estou no meio do livro "Dinheiro e Vida" de Vicki Robin e Joe Dominguez. A impressão é de estar assistindo ao filme Matrix e cada página me convida a tomar a tal pílula vermelha. Um convite a perceber os problemas do sistema em que vivemos - de como estamos anestesiados em nossas vidas e propósitos. Do quanto trocamos nosso maior e principal ativo - tempo/energia vital - por bens, serviços e status que não nos trazem felicidade.

Recomendo, fortemente, a leitura de Dinheiro e Vida. Pode gerar incômodos e vertigens. Apesar de bem avaliado na Amazon, veja um dos comentários sobre o livro:

Altamente esquerdista - Algumas dicas interessantes espalhada pela obra, mas infelizmente totalmente contaminado pela doutrinação socialista e globalista politicamente correta que amaldiçoa nossos dias. Indigesto do começo ao fim.

Agora um outro comentário positivo:

Excelente - Os autores traçam um caminho interessante para a Independência Financeira, nos mostrando principalmente que para se atingir esse patamar há necessidade de muito esforço e mudança de inúmeros comportamentos.

Chamar "Dinheiro e Vida" de politicamente correto é uma brincadeira de péssimo gosto. É aquele tipo de comentário de alguém que "ou não leu ou leu e não entendeu".

Ao término da leitura, pretendo fazer uma breve postagem, com os tópicos mais relevantes.

O livro é tão bom que não quis esperar o término da leitura para recomendá-lo.

Um abraço e até a próxima.




sexta-feira, 22 de maio de 2020

Carteira de renda variável - aportes de maio

Olá pessoal,

Em maio foram aportados recursos em:

 TGAR11; BBRC11 - FIIs.
 PIBB11; SMAC11  - ETFs.

Com o pagamento do financiamento imobiliário, sobraram mais recursos para o aporte mensal.

Segue carteira de renda variável, sem o SMAC 11:




Estou lendo a obra do Otto Maria Carpeaux - História da Literatura Ocidental, e consegui a versão mobi - para o kindle - de História da Filosofia, de Giovanni Reale e Dario Antiseri.

Impressionante como a internet facilitou o acesso a material de qualidade. Só precisamos nos policiar para não perder o tempo apenas com vídeos no youtube e séries na netflix.

O foco até o final do ano é aumentar o fluxo de caixa, com aportes em FIIs, mesmo sabendo que há incertezas quanto ao futuro. Aportar, também, em ETFs (PIBB11, SMAC11 e, depois, IMAB11 e SPXI11).

Hay que tener cojones!

Um abraço e até a próxima.



sábado, 16 de maio de 2020

História da Literatura Ocidental - Otto Maria Carpeaux

Olá pessoal,

Para quem se interessa pela história da literatura ocidental indico a obra de Otto Maria Carpeaux.

Descobri que os livros foram publicados pela editora do Senado e se encontram disponíveis para download no link abaixo:


Fiz uma conversão do formato pdf para o mobi e estou lendo a obra no kindle.

É muito interessante.

A história do Carpeaux é fantástica. Nasceu em março de 1990 em Viena, então capital do Império Austro-Húngaro. Veio para o Brasil em 1939. Foi trabalhar no Paraná, em uma fazenda. Depois se mudou para São Paulo. Falava inglês, alemão, francês, italiano, espanhol, flamengo, catalão, galego, provençal, latim e servo-croata. Chegou ao Brasil sem falar português. Um ano depois já tinha um excelente domínio do idioma em virtude do conhecimento de outras línguas e do latim. Tinha uma ampla cultura universal, tendo estudado Direito, Filosofia, Literatura, Sociologia e Química.

Escreveu diversas obras, dentre elas se destaca a história da literatura ocidental.

Para quem deseja conhecer mais autores, recomendo a obra do Carpeaux. Ainda estou no começo, mas tenho certeza de que terei um contato inicial com a obra de diversos clássicos da história - ainda desconhecidos para mim. 

É uma boa forma de você conhecer os autores e depois ler a obra daqueles que lhe chamaram a atenção.

Uma aula do professor Rodrigo Gurgel sobre Otto Maria Carpeaux e a "História da Literatura Ocidental":

Um abraço e até a próxima.